terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

PARTICIPAÇÃO MÍSTICA


O momento em que o ser está completamente entregue aos cuidados maternos dá-se quando esse ser vive na inconsciência de sua identidade onde o “pensar” e o afeto não fazem parte da atitude psíquica em relação à outros seres e objetos, uma atitude primitiva.

Nos tempos das cavernas o homem vivia sem tomar conhecimento do que lhe cercava, ignorando seus sentimentos e os de outros homens. Vivia retirando da natureza aquilo que ela podia lhe dar e, sem a crítica necessária, recebia e se satisfazia. Era uma relação paradisíaca onde o sujeito não conseguia distinguir-se claramente do objeto, como alguém que podia dar sua contribuição. O que ele vivia era uma identidade inconsciente que podemos conceituar como um fenômeno psicológico e psicopatológico já que a identificação era com as coisas, funções, papéis, etc... uma identificação com o todo externo.

Na participação mística esse sujeito vive em função do outro sem se dar conta de sua individualidade e de suas necessidades onde o que importa é o “pensar”, o “querer” e a “satisfação” do outro, mesmo que as atitudes lhe resultem em descontentamento interior ou perda de algo que lhe promoveria para um nível mais elevado. Não se trata aqui de egoísmo ou egocentrismo, mas de uma atitude que não vê e não se percebe enquanto pessoa que pode direcionar sua capacidade para o bem de si e do coletivo, do externo. Seu direcionamento está somente em fazer-se indispensável para um outro elegido. Esse outro pode ser uma pessoa, uma empresa, uma religião, um grupo, etc...

Acreditando que em se fazer indispensável será reconhecido pelo outro, assim, como o filho que atende aos desejos e necessidades de sua mãe numa atitude psicológica de se sentir importante para ela, uma vez que foi ela que o trouxe ao mundo e à ela esse ser se vê na obrigação de ser-lhe grato para todo o sempre.

O que coloco aqui não é a mãe geradora, mas a imagem de mãe que a criança recepciona e a imagem de filho que ele acredita dever ser para essa mãe. Esse filho fica aprisionado nessas imagens por muitos anos e desloca, sem se dar conta, para outras áreas de sua vida, como por exemplo: a esposa, a empresa, qualquer outro que possa corresponder ao papel dessa imagem.

Se formos para a mitologia iremos encontrar dentre muitos, Eros, que enquanto menino, brincava com os sentimentos dos humanos lhes arremessando a flecha do amor. Obedecendo sua mãe Afrodite na sua vaidade, Eros atira uma fecha em Psique para que nela nascesse o amor por um monstro, porém ao atirar, erra e se fere com a própria flecha. Começa aí o caminho para o amadurecimento de ambos, Eros e Psique. Eros sente aí amor por Psique e a leva consigo com a condição de que ela nunca poderia vê-lo. Depois de algum tempo Psique o vê e devido a isso, ele a abandona “correndo” para junto da mãe Afrodite para ser acolhido, cuidado e poupado de viver o desconhecido, de deixar a infantilidade para a masculinidade que é o relacionamento de fato com a mulher.

Em contrapartida, essa pessoa, inconscientemente, se entende como um divino, uma vez que em se fazer filho dá importância para essa mãe. Ele nutre a vaidade dela.

Tomemos como exemplo a relação empresa-empregado. A criança na fase da escolha, na maioria dos casos, lança mão de sua vocação para atender aos desejos e frustrações da família. Vai trabalhar em uma empresa onde tem todo o apoio como um certo destaque, bom salário e benefícios. Sente-se acolhido por essa empresa que atende suas necessidades de sobrevivência e por isso não consegue dar vazão ao que realmente gostaria de produzir. Trabalha muitas horas para continuar provando que é um ser produtivo e que sabe o que quer e está fazendo o que realmente lhe dá prazer. Porém, passa o tempo todo querendo ser reconhecido dentro dessa relação. É como se ao fazer algo para a mãe ele recebesse um “muito bem, meu filho, você é indispensável na minha vida, sem você eu não viveria”. Esse é o momento em que essa criança se sente divina, só ela é capaz de realizar algo de importante para aquela empresa, para aquela mãe.

Esse reconhecimento é o que a criança espera que seus pais lhe dêem e se isso não acontece ela entra na frustração por um desejo não realizado, sem entender que a realização está em atender as suas necessidades de produzir algo genuíno proveniente de sua vocação, de sua habilidade, de seu Eu interior que clama para ser, esse, sim, reconhecido.

“O mundo se origina quando o homem o descobre. E ele o descobre quando sacrifica sua condição de envolvimento na mãe primigênia”, isto é, “pelo estado inicial inconsciente” enquanto “ser primeiro”. (Ivo Storniolo)
Por: Elizabeth Sartori

Baseado nos textos de:
Erich Neumann em História da Origem da Consciência
Carl Gustav Jung em O Desenvolvimento da Personalidade
Paolo Francesco Pieri em Dicionário Junguiano

Nenhum comentário:

Postar um comentário